Entrosamento Imperfeito

Em Março de 2008 fui parar em Brasília, onde eu ficaria morando e trabalhando por dois anos. A história de como eu fui parar lá fica pra outra ocasião, agora eu queria apenas falar um pouco sobre uma das coisas mais marcantes que me aconteceu no período em que morei em Brasília: o IMPERFECTION
O Imperfection era uma banda de grunge/alternativo que já existia há anos e que começou sua jornada em Belo Horizonte-MG. Esse texto não tem pretensão nenhuma de contar a história do Imperfection toda, mas apenas a parte da qual eu participei. 

Desembarquei no aeroporto Juscelino Kubitschek com duas malas enormes, um pequeno amplificador de guitarra Stanner (que tenho até hoje) e uma guitarra Kramer Flying-V vermelha (quase rosa) em um case gigante e desgraçadamente pesado. Na porta de desembarque lá estavam Thiago e Gito, duas figuras que iriam me influenciar muito nos próximos dois anos. Eu iria morar e trabalhar numa ONG chamada JOCUM pelos dois anos seguintes e eles, que também moravam e trabalhavam na ONG, estavam lá pra me receber e dar uma carona. Já no dia seguinte me aparece o Gito me pedindo emprestado meu ampli e os dois pedais que eu tinha na época, um de distorção e outro de delay. Na época ele tocava baixo no Imperfection e eles estavam indo ensaiar e acabou que eu fui junto. Eu já havia conhecido o Thiago (guitarrista e vocalista da banda) há alguns meses, quando ele me deu um CD da banda, o Who Cares, que tenho até hoje guardado aqui em casa e quando chegamos ao local do ensaio conheci o baterista. Era um guri de 16 anos que não parava de falar pros outros que tinha acabado de descobrir que era cego de um olho. Que bela maneira de se começar uma amizade né Bruno? O mais assustador foi quando aquele mesmo guri caolho de 16 anos sentou atrás da bateria. Naquele momento eu tive certeza de que ele deveria ter crescido ao lado de uma usina nuclear ou coisa assim.
Cheguei a assistir outros ensaios e algumas apresentações do Imperfection com essa formação até que um dia o Gito viajou e iria ficar um tempo fora e com isso o Thiago me pediu pra assumir o baixo durante os ensaios e participar de uma apresentação que já estava marcada. Em poucos ensaios eu já tinha aprendido bem as músicas e algumas delas não foram esquecidas até hoje. Era um repertório mesclado com músicas da banda (que já tinha gravado um EP e um Álbum completo) e alguns covers (Nirvana, Silverchair, Neil Young). Na época eu considerava o heavy metal e algumas de suas vertentes como sendo o auge do rock’n’roll de todos os tempos, então tocar grunge ali acabou sendo uma experiência no mínimo inusitada pra mim. 
Minha primeira apresentação com o Imperfection em 17/05/2008. Nessa época eu ainda tinha minha cabeleira heavy metal!
Acabou que chegou o dia da tal apresentação. Foi num pedaço de garagem no melhor estilo underground que era conhecido na época como Metástase. Eu lembro de ter gostado muito da experiência e ter achado até que estávamos bem entrosados, aliás, estrosamento esse que permaneceu na banda quando acabei substituindo o Gito oficialmente já que ele estava viajando muito na época. Foram dois anos de descoberta e aprendizado tanto ideológico quanto musical. Me lembro da primeira vez que toquei uma música do Ramones e também de quando comecei a preferir o Pearl Jam ao invés do Iron Maiden. Essa experiência com o Imperfection serviu para que eu ampliasse muito os meus horizontes musicais e aprendi finalmente uma valiosa lição: às vezes o menos é mais! Hoje meu gosto musical mudou por completo. Ainda escuto e gosto de algumas coisas que eu gostava antes, mas estou numa fase bem diferente da que estava. Agora não suporto mais os solos de guitarra compridos e tediosos que tanto me chamavam a atenção na minha adolescência. Hoje em dia o Thiago está se redescobrindo musicalmente e preparando um projeto diferente que talvez possamos conferir em algum tempo. O Bruno já é um músico profissional. Requisitado em várias bandas brasilienses e também professor de bateria em uma boa escola de música. De longe ele é de nós três o que tem mais chance de ter um futuro musical brilhante. Eu estou envolvido com coisas novas também das quais contarei em breve por aqui. Até hoje quando nos encontramos fazemos algum barulho. Seja eu indo pra Brasília ou eles vindo até Curitiba e, acreditem, o entrosamento imperfeito que sempre tivemos continua lá! Tocamos juntos aqui em Curitiba em 2011 sem ensaiar há vários meses e ainda foi animal!
Nossa reunião em Curitiba. Agosto de 2011.
Se você ficou minimamente curioso pra saber que tipo de som a gente costumava levar você pode baixar a EP STRIFE clicando AQUI ou o álbum WHO CARES clicando AQUI.

Veja Também

3 comentários

  1. é a melhor banda grunge cristão q ja ouvi e porque vcs acabaram,devem continuar o som d vcs é muito raro d c encontrar.olha q sou um grungeiro fanatico q mesmo sendo cristão ouvia nirvana,alice in chains,soundgarden,pear jam,mudhoney,sonic youth,supersuckers entre outras.mas desde a 1 vez q escutei o imperfection fiquei completamente apaixonado e graças a deus são cristão peço a vcs pór favor naum parem vlw

    ResponderExcluir
  2. Cara, até onde eu sei a banda não acabou oficialmente, só não está mais na ativa como como costumava ser alguns anos atrás. Pelo que eu sei eventualmente a banda ainda se apresenta em alguns lugares.

    ResponderExcluir
  3. caraa... eu tava no youtube proucurando bandas grunges, ai eu vi uma brasileira, e quando ouvi me encantei, véi na boa, tenho 14 anos, eu já achei o maximo, e ainda quando eu li que era cristã ai q eu gostei mesmo.
    pra mim é a melhor banda tanto cristã quanto banda brasileira de gruge.

    ResponderExcluir