Fruto Sagrado - Fruto Sagrado

FRUTO SAGRADO - Fruto Sagrado

1- Base Forte
2- Pra Acordar
3- Guerra Interior
4- Fruto Sagrado
5- Vazios de Coração
6- Sem Definição
7- O Tempo Vai Cessar
8- Nunca Mais
9- Não Me Deixará

Quem me conhece sabe que sou um grande fã do Fruto Sagrado. Aliás, essa é uma das poucas bandas cristãs das quais eu gosto, visto que atualmente o emburrecimento religioso fez com que surgisse uma legião de “artistas” CRISTÃO$ que repetem à exaustão o que já foi dito porque assim se ganha mais dinheiro.
Enfim, vamos falar de coisas boas: esse é o álbum de estréia do Fruto Sagrado e muita coisa bacana pode ser notada aqui.
Pra quem não sabe, o Fruto Sagrado tem em sua carreira três grandes fases que são marcadas por estilos musicais bem diferentes e no primeiro álbum de cada uma dessas fases a banda sempre “apanhou” um pouco por causa da mudança no estilo das composições. O álbum em questão é o que sofre menos com isso justamente por ser o primeiro da banda. Ele inicia a fase meio prog rock com elementos de hard rock, que na opinião desse que vos escreve se culminou no álbum O Que a Gente Faz Fala Muito Mais do Que Só Falar (1995).
Não sou um grande fã de rock progressivo mas admito que esse álbum me agradou muito. Ele ainda é muito “imaturo” tanto musicalmente quanto ideologicamente se for comparado aos trabalhos do Fruto que vieram depois mas ainda assim possui características interessantes. Possui alguns arranjos marcantes e elaborados que são característica do prog rock mas que nunca são exagerados a ponto de estragar as músicas.
A banda também é bem conhecida pelas letras extremamente criativas e marcantes que preenchem há mais de 20 anos suas composições. Aqui nessa álbum é possível notar o começo de toda essa criatividade com frases bem sacadas que parecem até estar “perdidas” no meio dessas músicas. Não poderia esperar menos do álbum de estréia de uma de minhas bandas favoritas!
Uma curiosidade: eles pegaram emprestada a introdução da música clássica Toccata, de J. S. Bach para usar como introdução na faixa Vazios de Coração. Essa façanha de pegar uma música clássica e usar como introdução foi repetida na faixa Exceção à Regra, do álbum Na Contramão do Sistema (1993).
Apesar de ser o primeiro álbum da banda foi o último que eu escutei. Todo o resto da discografia da banda já estava muito bem gravado na minha cabeça quando decidi finalmente conferir como tinha sido sua grande estréia e, para minha surpresa, fiquei satisfeito com o que ouvi.
Minha música favorita desse álbum é a terceira faixa Guerra Interior, que ainda ganhou mais duas versões posteriormente, uma em inglês (1995) e uma acústica (1999).
Esse álbum está bem longe de ser a obra-prima da banda que aliás, só tem mais outros dois álbuns que estão abaixo desse em minha opinião, mas mesmo assim é importante pra mim pois marca o inicio da trajetória do Fruto e mesmo não tendo tanta importância quanto outros trabalhos da banda com certeza tem o seu valor e vale a pena ser conferido por todo fã do Fruto Sagrado. Além de tudo isso que eu falei tem um valor histórico muito grande já que foi um dos primeiros álbuns de rock cristão a ser gravado no Brasil com letras que passeiam (a princípio de leve) na política.


Veja Também

Nenhum comentário:

Postar um comentário