Faith No More - The Real Thing

FAITH NO MORE - The Real Thing

01- From Out Of Nowhere
02- Epic
03- Falling to Pieces
04- Surprise! You’re Dead!
05- Zombie Eaters
06- The Real Thing
07- Underwater Love
08- The Morning After
09- Woodpecker From Mars
10- War Pigs
11- Edge of The World



Temos aqui um divisor de águas na carreira do Faith no More, a banda já havia lançado dois álbuns de estúdio antes desse mas foi em The Real Thing que as coisas mudaram drasticamente na carreira do Faith no More por várias razões.
Esse é o álbum de estréia de Mike Patton que estava assumindo os vocais da banda. Até hoje a saída do antigo vocalista Chuck Mosley é bem controversa e os fãs se dividem entre os que acreditam que Mosley foi demitido devido ao alcoolismo e os que acreditam que a banda simplesmente queria um vocalista com técnica superior. Seja lá qual for a razão a decisão não poderia ter sido mais acertada visto que esse não é apenas um bom álbum na discografia da banda mas sim um verdadeiro clássico!
A banda definitivamente passou a ser notada por todos a partir desse álbum, que além de trazer ao público uma trinca de hits em sua abertura com From Out of Nowhere, Epic e Falling To Pieces ainda chamou a atenção do enorme e chatíssimo público de heavy metal com um cover de War Pigs do Black Sabbath.
A banda sempre foi conhecida por escolher covers “improváveis” para preencher seus shows e álbuns apenas pra “irritar” um pouco sua platéia, mas no caso de War Pigs o tiro saiu pela culatra, visto que agradou tanto que aquele monte de gente carrancuda que gosta de fingir que é seguidora de satan até achou interessante essa surpresa!
O interessante desse álbum é a brincadeira com estilos musicais que passam por heavy metal, grunge, new metal, rock’n’roll clássico e outros. Eu não consigo definir o “estilo musical” desse álbum com apenas um rótulo, aliás, nem acho que isso seja necessário.
Também é possível encontrar composições e arranjos mais maduros aqui do que nos dois álbuns anteriores da banda, ou seja, nota-se nitidamente a evolução da banda nesse aspecto também.
A versatilidade e carisma do novo vocalista tornaram a banda viável comercialmente e tiveram o clip da música Epic repetido à exaustão nas MTV’s da vida.
Não que isso seja uma coisa necessariamente ruim mas convenhamos que esse álbum não teria feito nem metade do sucesso se não fosse pelos refrões grudentos que estão presentes em quase todas as faixas do álbum.
Todas as faixas desse álbum foram compostas pela então mais nova galinha dos ovos de ouro da banda: Mike Patton, que só não compôs War Pigs (cover) e Woodpecker From Mars (instrumental).
Esse foi o primeiro álbum da banda a atingir um milhão de cópias vendidas nos EUA, tudo isso contribuiu para uma nova fase banda onde agora eles figurariam lado a lado com verdadeiros rockstars da época, roubando a cena até mesmo do próprio Black Sabbath que não estava chamando lá muita atenção na época.
Eu recomendo esse álbum principalmente para quem não conhece a banda e gostaria de escutar uma sonoridade bem diferente das outras coisas que foram feitas nas décadas de 80/90 dentro do rock’n’roll e, finalmente, minhas três recomendações para esse álbum ficam sendo os tradicionais três hits que abrem o álbum, com direito a clip!



Veja Também

Nenhum comentário:

Postar um comentário