Minha História Através de Algumas Músicas

Imagem: Pixshark

A música sempre teve um papel fundamental em minha vida desde a primeira vez em que coloquei um violão em meu colo para ensaiar alguns acordes aprendidos com um amigo. Na época o meu principal círculo de convivência era com membros da mesma igreja evangélica a qual eu frequentava. Ser criado em uma igreja me trouxe uma considerável quantia de dor de cabeça e revolta, sem mencionar na quantidade absurda de regras que me eram impostas sem qualquer explicação racional. Eu resolveria essas divergências muito bem no futuro, mas ainda na mesma época havia um lado positivo naquela convivência: a proximidade com instrumentos musicais. Morar ao lado da igreja me dava a possibilidade de ir até lá a qualquer momento, plugar a guitarra em um dos amplificadores e praticar algumas das músicas que eu tentava imitar com uma certa persistência.
Tinha tudo ali, guitarra, contrabaixo, bateria, teclado, microfones, violão e alguns instrumentos de percussão menos populares. Ir até ali com alguns amigos e fingir que eu fazia parte de uma banda de verdade fez com a música crescesse em importância para mim. Hoje, olhando para trás eu sou capaz de fazer uma pequena lista de músicas que marcaram vários momentos de minha vida pessoal e minha evolução como músico e o resultado seria um resumo da minha própria trilha sonora.

Oficina G3 - Glória

Quando eu era pequeno não havia um interesse musical grande em mim e eu sequer sabia diferenciar um estilo de outro mas quando ouvi pela primeira vez o álbum Indiferença da banda cristã Oficina G3 descobri que o rock n'roll me agradava muito ao mesmo tempo que percebi que uma banda cristã não precisava ser mongolóide igual ao Diante do Trono e outros grupos que fazem exatamente o mesmo som. Dentro daquele álbum ainda descobriria uma música com uma introdução instrumental que me apresentava pela primeira vez o potencial de uma guitarra. Isso me faria tomar a decisão: Ok, eu quero tocar esse instrumento aí!


Van Halen - Eruption

Por sorte naquela mesma igreja havia algumas poucas pessoas com um gosto musical mais interessante a meus ouvidos e foi na casa de um deles que fui apresentado a Dire Straits, Phil Collins e vários outros sons interessantes mas o que fez meu queixo colar no chão foi quando o primeiro álbum de estúdio do Van Halen foi colocado no aparelho de som e a segunda faixa foi selecionada. Meu cérebro praticamente derreteu com mais uma apresentação do que uma guitarra era capaz de fazer e deu lugar a uma nova massa cinzenta que agora tinha certeza do que gostava de ouvir.


Ozzy Osbourne - Crazy Train

Anos mais tarde eu descobri o heavy metal. Aí danou-se, foi toda uma adolescência deixando o cabelo crescer, praticando horas de guitarra todos os dias para tentar tocar com precisão aproximadamente 181734089712364918634 notas por segundo e escutando bandas como Judas Priest, Black Sabbath, Deep Purple, Iron Maiden e vários outros representantes e vertentes do mesmo estilo. Dessa época destaco uma música do primeiro álbum do Ozzy Osbourne, que foi sem dúvida o que mais escutei de todos esses.


Bride - Psychedelic Super Jesus

Eu ainda me interessava por bandas que empregavam a temática e a crença cristã em sua letras, por isso minha playlist estava sempre abarrotada com músicas do Stryper, Narnia, Mortification e outros menos conhecidos mas o que realmente me marcou dessa galera foi o Sankes In The Playground, também conhecido como a obra-prima do Bride. A música escolhida é também considerada um dos grandes hinos da banda.


Nirvana - On a Plain

Pois é, com metal e hard rock escorrendo pelas orelhas me mudei para Brasília, onde eu iria morar e trabalhar por dois anos. Muitos amigos foram feitos ali e a minha entrada em algumas bandas de lá me fez entrar em contato com um tipo de som a qual eu não estava nem um pouco acostumado. Para ajudar alguns amigos acabei por assumir o contrabaixo de uma banda grunge e um enorme setlist grunge me foi passada. Diferente das músicas com as quais eu estava acostumado, elas eram muito fáceis de se tocar e com o tempo até peguei o gosto por aquele som mais sujo e direto. Uma das músicas que tive que aprender foi On a Plain, do Nirvana.


Neil Young - Rockin' in The Free World

Na mesma banda ainda entrei em contato com um dos meus sons favoritos até hoje. Tinha uma pegada rock n'roll que eu adorava, tinha letras que contestavam condições sociais e até uma leve pisada no calo americano. Neil Young, o melhor canadense que existe, me fazia gostar de um outro tipo de rock n'roll.


Pearl Jam - Do The Evolution

Pouco depois, em uma conversa com amigos fui apresentado ao que se tornaria a minha música favorita da minha banda favorita. O clipe animado e a letra marcante me fez gostar de primeira de uma das músicas do Pearl Jam com mais influência do punk rock. Aliado a isso, um clipe sensacional com o traço de um quadrinista que eu já adorava.


Ramones - I Believe in Miracles

Falando em punk rock não posso esquecer da influência que o estilo (e o movimento) tiveram para mim. Eu particularmente sempre preferi o som mais sujo e "tosco" feito aqui no Brasil mesmo. Estou falando de Garotos Podres, Cólera, Olho Seco, Ratos de Porão e vários outros. Apesar de preferir o som sujo nacional reconheço que o Ramones também possui um lugar especial em minha trilha sonora com uma das músicas mais sinceras e despretensiosas que já ouvi até hoje.


Raul Seixas - Gita

Raul é um nome que eu tinha ouvido falar a vida inteira sem entender muito bem o porquê. Era difícil pra mim assimilar toda essa idolatria ao maluco beleza mas quando escutei pela primeira vez a música Gita e tive oportunidade de prestar atenção na letra percebi que havia algo de muito interessante ali. As músicas eram ótimas, mas as letras eram ainda melhoras. Gita fez com meu interesse por Raul Seixas se despertasse e rapidamente comecei a escutar um disco atrás do outro. As letras de Raul tinham hora pra filosofar, hora pra criticar e hora pra satirizar. Finalmente me tornei um admirador dessas letras, tudo graças a minha primeira audição de Gita. Em tempo: eu sei que esse clipe é uma boa bosta, não precisa me lembrar disso!


Lobão - O Rock Errou

Muito antes do Lobão ter decidido se tornar uma figura de provocação partidária ele já era para mim um dos grandes ícones do rock n'roll desse país. O cara sempre foi bom com as letras e todos os seus álbuns possuem no mínimo duas músicas das quais eu gosto muito. Sua sonoridade meio suja e experimental em alguns momentos também me chamava a atenção. Apesar de gostar muito de bandas como Ultraje à Rigor, Cazuza, Paralamas do Sucesso, Titãs e outros, escolho o Lobão para ser o representante nacional dessa safra com uma música que alfineta justamente o próprio rock n'roll (e muitas outras coisas).


Jimi Hendrix - All Along The Watchtower

Um aspirante a guitarrista como eu crescer sem conhecer o som do Jimi Hendrix pode ser considerado um crime grave mas foi isso o que aconteceu comigo. Eu conhecia apenas a bela Little Wing e gostava muito mas só depois dos vinte anos decidi descobrir o que mais esse guitarrista teria a me oferecer. É claro que não eram poucas as músicas em sua discografia que me fascinavam mas minha preferida acabou se tornando uma regravação de um dos clássicos do Bob Dylan e também considerada por muitos um dos melhores covers da história do rock.


Bob Dylan - Like a Rolling Stone

É claro que o responsável por trazer letras de constestação para o rock não poderia ficar de fora do meu resumo. Dono de muitas músicas que dizem o que eu gostaria de ter dito, Dylan foi o artista/banda com o qual mais tive dificuldades em escolher uma música para representar nesse resumo


Bruce Springsteen - Born To Run

Eu não sei o que esse tiozinho tem mas eu estou viciado no som dele! Não conhecia o som do Bruce Springsteen e decidi escolher um álbum dele pra começar. Escutei Born To Run inteiro pela primeira vez e logo em seguida coloquei pra tocar de novo. Esse ritual se repetiu por muitos dias até eu me convencer de que valia a pena continuar descobrindo as músicas desse cara. O álbum seguinte foi o Born In The USA. Vício automático!

Veja Também

Nenhum comentário:

Postar um comentário