Socialize

Breaking

10 de junho de 2018

The Chanceller - Highs & Lows


O synthpop é o sobrinho do punk rock.
Calma, eu explico. Na década de 70 surgiu a new wave como uma espécie de "irmã do punk rock". Gêneros contemporâneos que traziam em comum a transgressão musical, tentando produzir composições que fugissem completamente do mainstream. Enquanto o punk ficou com o minimalismo do rock'n roll, a new wave flertava mais com a música eletrônica alternativa sem deixar de lado os instrumentos musicais. Ainda nos anos 70, a new wave teve um filho: o synthpop. A principal característica deste subgênero era a presença de sintetizadores como principais instrumentos nas músicas, sem deixar de lado os instrumentos comuns de uma banda de rock.
É claro que isso é um resumo simplista que só interessa aos não iniciados neste universo, mas a razão desta postagem é outra.
Anos atrás tive o prazer de conhecer o mais notável representante do synthpop curitibano, a banda The Chanceller.
Liderada por Luciano Cardoso, a banda  conta com composições do próprio, que também grava todos os intrumentos, contando com músicos de apoio apenas nas apresentações ao vivo.
Dois álbuns foram resenhados por mim em uma coluna sobre música no extinto portal UCM Comics. Eram os competentes Painted in Black e o Sinth/Electro/Bass, respectivamente lançados em 2012 e 2013.
Por circunstância da vida acabei perdendo o contato com o trabalho da banda, mas este ano fui surpeendido com um contato do próprio Luciano em meu perfil do facebook. Tivemos algumas conversas onde tive o prazer de saber que agora ele reside nos Estados Unidos, onde continua compondo e produzindo os álbuns do The Chanceller, além de administrar a gravadora Fayette Records.
Ao ouvir seu trabalho mais recente, Highs & Lows, de 2016, me deparei com um material maduro em termos de composição e produção musical. Não faço resenhas musicais há alguns bons anos, mas em nome dos velhos tempos resolvi abrir uma exceção.
Highs & Lows traz uma atmosfera que mistura a melancolia, o estranhamento e a descoberta. Isso é a leitura que faço das composições e suas melodias. Não tive acesso as letras e meu inglês não é fluente o suficiente para compreendê-las por completo, mas sou capaz de apostar que elas reforçam minhas impressões.
Ainda não ouvi o Bad Computer, lançado em em 2014, mas ouso afirmar que estamos diante da obra-prima do The Chanceller.
Quero começar falando sobre os timbres deste álbum. Parecem ter sido escolhidos cuidadosamente para cada arranjo, sempre enriquecendo a atmosfera de cada música. Mais do que isso, os timbres parecem dançar nas faixas junto com os sintetizadores e demais instrumentos.
Scarlet fields abre Highs & Lows, e não é a toa. Além de ser uma das melhores músicas do álbum, é também a representante perfeita da mudança de Luciano para os Estados Unidos. Foi composta ainda no Brasil, semanas antes da mudança. Representa seu estado de espírito quanto as oportunidades que o aguardavam e sua melancolia a respeito de tudo o que deixava para trás. A música foi gravada em solo americano e, assim como o resto do álbum, foi produzida durante o inverno de 2016.
As instrumentais Crash, Pleasent St e I Wonder são tão bem construídas que me fizeram imaginar um compositor se divertindo enquanto as produzia, mesmo cada uma delas trazendo sentimentos muito diferentes da diversão.
A maior carga emocional você irá ouvir em Love Will Last Strong, uma bela canção que deu uma leve incomodada em minhas vias lacrimais mesmo sem ser capaz de compreender a letra. Também aproveito para dar destaque para Farewell e The Moment is Now que, juntamente com as outras faixas já citadas, fazem com que este álbum mereça o título de obra-prima.
Highs & Lows é sobre os altos e baixos da vida, segundo o compositor.
Nessas onze músicas estão mais do que o retrato de uma mudança brusca para o The Chanceller. Aqui está um coração que não se aguentou com tanta emoção, foi obrigado a compor. Seus momentos mais tristes e felizes no primeiro inverno em uma terra estranha não puderam ficar guardados na subjetividade de sua introspecção, precisaram vazar para o mundo em forma de músicas.
Você pode ouvir o álbum de forma gratuita no Bandcamp ou Deezer. No momento ele não está disponível no Spotify, mas até o final do mês a a Fayette Records irá lançar todo o catálogo da banda, incluindo material inédito, na plataforma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Páginas